sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Tudo ao contrário.

A compreensão e a tolerância são qualidades que contribuem para a estabilidade de um casamento certo? Mais ou menos! 

Freqüentemente as coisas costumam ser o contrário do que se diz. Querem ver só...

Já notaram que a quantidade de homens charmosos, gente boa que são casados com mulheres de péssimo gênio que por qualquer motivo descem do tijolo e rodam a baiana parece cada dia maior?
E o pior é que a grande maioria desses homens aceitam serem levados alí, na rédea curta, sem nem olharem para os lados.

Uma qualidade muito bem conceituada que faz qualquer futura sogra respirar aliviada (isso enquanto a verdade não aparece) é a doçura. Ninguém suspeita de mulheres dóceis, porém muitas delas quando encontram um homem distraído descontam em cima dele a falsa docilidade que sustentaram a vida toda.
Ai fica assim, na frente dos pais e parentes a moça representa ser a pessoa mais maleável e compreenciva do mundo, mas quando estão sozinhos quem vive o verdadeiro inferno é o tonto que se deixou enganar pelos encantos dessa Medusa açucarada!

Outra coisa intolerável é aquela falsidade de querer ser para os filhos do primeiro casamento dele ou dela uma segunda mãe ou pai. 
Não adianta forçar as coisas, aquela criança já possui um pai ou uma mãe de verdade e por pior que essa pessoa possa ser o vínculo dela com a criança será eterno.
Ai num surto de raiva a criança vira e fala "Você não é meu pai!" e o pior é que ela está certa!

Uma coisa que acho super legal nos casais é aquele constraste que surge por personalidades diferentes. O intelectual engomadinho que namora com uma Emo Pop de cabelos coloridos e piercing no nariz por exemplo. O que não desce é quando a pessoa, com personalidade já definida, muda completamente só pra acompanhar o estilo do outro. 
Já presenciei um caso onde o rapaz nem sequer tinha problemas de visão mas fez um óculos de grau só por que a namorada também usava. Hilário!

É claro que se deve ter, no fundo da alma, todas as boas qualidades que aprendemos quando crianças mas não são todos os pensamentos que devemos revelar e nem todas as virtudes devem ser mostradas.
Mas, no final da história, a coisa mais sensata que tenho a dizer é, quem quiser ter sossego não tem que achar nada, nunca, sobre nada!

5 comentários:

Glamourosa disse...

ou separar uma parte importante do seu dia [e,às vezes, da sua paciência], pra conversar.

=*

Raphael Rocha Lopes disse...

ainda acho que os opostos apenas se distraem... na realidade os parecidos se atraem.

Agostinho Lopes disse...

Estou de pleno acordo com tuas colocações. Complementando o comentário do Raphael, acho que "os dispostos se atraem".

Raphael Rocha Lopes disse...

hehe... ficou melhor mesmo...

Alline disse...

Conhecer o universo do outro é válido. O que não vale é morar lá. ;)
Beeeeeeeijo pra ti!